Visualizar as mensagens categorizadas de acordo com: Profissional

Como se maquiar para o trabalho nas diferentes áreas profissionais

Posted by Nana in 1, Imagem, Profissional | 0 comments

13.09.19

A maquiagem pode ser uma forte aliada de quem quer mudar o visual, reforçar alguma característica ou se posicionar, seja na vida pessoal ou profissional. Sendo assim, o fato de se maquiar para o trabalho pode aumentar a autoestima e contribuir para uma imagem mais segura e positiva Para o dia a dia, alguns profissionais indicam uma maquiagem mais natural. Nesses casos, o objetivo é atenuar olheiras, manchas e outras imperfeições, além de iluminar a pele e acentuar os lábios. Assim, ao realçar a beleza, dando um aspecto saudável, você não perde a discrição e nem destoa do ambiente de trabalho. O ideal, portanto, é deixar as cores mais fortes e a base mais pesada para ocasiões como festas e compromissos pessoais.

Os benefícios de se maquiar para o trabalho

Além de ajudar na autoconfiança, o ato de se maquiar para o trabalho pode trazer outros benefícios, como melhorar a percepção das pessoas quanto à sua atuação. Foi o que mostrou um estudo publicado no livro “Desvendando os segredos da linguagem corporal”.  Nele, Allan e Barbara Pease analisaram assistentes de atendimento e chegaram a algumas conclusões, no mínimo, interessantes. Por exemplo, assistentes maquiadas e usando óculos transmitiam uma imagem de confiança, inteligência, sofisticação e sociabilidade. Já aquelas maquiadas e sem óculos foram elogiadas por sua apresentação pessoal. No entanto, as assistentes sem maquiagem - com ou sem óculos - receberam as piores avaliações, mesmo que sua atuação e produtividade não destoasse das demais. De fato, a aparência pessoal impacta na visão que os outros têm de nós. Por isso, é importante estar atenta a alguns fatores. Conhecer sua paleta de cores pessoais, assim como a maquiagem ideal para cada tipo de pele, pode ajudar nesse sentido. Contudo, sempre há a possibilidade de contar com uma consultoria de imagem e estilo para encontrar o caminho certo para ganhar autoconfiança e alcançar objetivos pessoais e profissionais.

Ao se maquiar para o trabalho, leve em consideração seu estilo e sua profissão

Assim como as suas roupas, a maquiagem deve refletir o seu estilo, ainda que seja para trabalhar. Criar uma identidade visual para si pode ser fundamental para passar a imagem certa para as pessoas. Seja você uma mulher clássica, refinada, natural esportiva, romântica, sexy, criativa, moderna ou urbana, há maneiras de se expressar através da vestimenta e da maquiagem. Além da sua personalidade, ao se maquiar para o trabalho é preciso levar em consideração o ambiente. Perceba se ele é mais leve e descontraído, ou se o dress code exige mais sobriedade e tons mais neutros, por exemplo. Porém, independentemente do tipo de maquiagem e das cores que você escolher, não se esqueça de usar filtro solar, de hidratar a pele e, claro, remover toda a maquiagem no fim do dia. Esses cuidados com a pele são fundamentais para manter a saúde da cútis e não precisar usar tantos produtos para esconder imperfeições.

Veja dicas de como se maquiar para o trabalho de acordo com o seu estilo:

maquiar para o trabalho

Natural

Para quem tem o estilo mais natural, o ideal é apostar em algo bem leve e que não aparente o uso de muito produto ao se maquiar para o trabalho. É possível usar bases líquidas bem leves, ou até mesmo um BB Cream com cor. Assim, você disfarça as imperfeições e ainda ajuda a tratar a pele. Nos lábios, aposte em um gloss ou tom de nude, que seja discreto e mantenha a aparência natural. Já para abrir o olhar, o uso do rímel é fundamental. Caso não se sinta à vontade, pule a sombra, mas não abra mão de um pouco de blush para dar um ar saudável à produção.

Formal

Agora, se você tem estilo mais formal, ou seu ambiente de trabalho pede que você se apresente assim, o ideal é apostar em tons mais terrosos nos olhos e no blush.  Para os lábios, aposte em tons dessa paleta ou ainda aqueles rosados. Evite brilho para manter a discrição, além de cores escuras demais.

Elegante 

Quem quer manter uma aparência elegante mesmo na hora de se maquiar para trabalhar pode apostar no clássico. Uma dica é o blush em tom pêssego. Nos olhos, é possível usar tons rosados ou mais claros, como marfim, que nunca saem de moda. Já os lábios podem ganhar um pouco mais de cor. Para uma aparência elegante, é possível usar produtos com um pouco de brilho, mas sem exageros.

Criativa

Pessoas mais criativas e, principalmente, que trabalham em um ambiente propício a isso, podem se beneficiar e muito na hora de se maquiar para o trabalho. Isso porque é possível apostar em tons mais ousados, como roxo e laranja. Além disso, os olhos podem ganhar um delineado, desde que esteja em harmonia com o restante da make e não pareça muito pesado.

Delicada e feminina 

Já quem é mais delicada e feminina pode apostar em tons rosados seja para os olhos, o blush e os lábios. Mas cuidado para não pesar a mão nesse tom! O ideal é escolher um local para destacar e usar um pouco mais de cor. Fashion e impactante - quem tem estilo fashion também pode se beneficiar quando o ambiente de trabalho é propício para isso. Você pode apostar, por exemplo, em tons mais escuros na sombra, usar lápis de olho e delineador, desde que tome cuidado com exageros. Além disso, batons coloridos podem compor o visual na hora de se maquiar para o trabalho. O ponto de atenção é apenas para aqueles tons muito abertos. Prefira, por exemplo, vermelhos e rosas mais fechados.   E então, o que achou das minhas dicas sobre maquiagem para o trabalho? Se ainda ficou alguma dúvida, entre em contato para conversarmos!

Qual o passo a passo de uma consultoria de estilo? Entenda tudo!

Posted by Nana in 1, Imagem, Pessoal, Profissional | 0 comments

Uma consultoria de estilo é um serviço altamente personalizado que ajuda pessoas a alinharem sua imagem com a sua personalidade, objetivos pessoais e profissionais. Como cada indivíduo é único, sendo assim, uma consultoria de estilo pode ter diferentes etapas. Porém, existe um passo a passo que costuma ser usado como base pela grande parte dos profissionais para dar seguimento à orientação. Se você está interessado no assunto e quer saber qual é o passo a passo de uma consultoria de estilo, está no lugar certo! Confira a seguir as principais etapas desse processo e tire todas as suas dúvidas.

Conheça o passo a passo de um consultoria de estilo

1. Autoconhecimento

O primeiro passo de uma consultoria de estilo é o autoconhecimento. É nessa fase que o profissional vai te ajudar a formular seus objetivos, seus gostos, preferências e a definir aonde quer chegar ao fim desse processo. Também é nessa etapa que entra o autoconhecimento sobre o corpo. Isso quer dizer que é a hora do cliente reconhecer suas curvas, nuances, cor e tom de pele, para depois entender como valorizar o que tem de melhor e disfarçar pontos que não gosta muito em si mesmo.

2. Investiga

consultoria de estiloção das características físicas

Depois da fase do autoconhecimento, é a hora do profissional se debruçar sobre as informações que vocês levantaram. Nessa etapa da consultoria de estilo, o trabalho gira em torno das melhores soluções para cada tipo de corpo, de cor de pele e, claro, de estilo e personalidade. Podem ser apresentadas inspirações, como fotos de pessoas parecidas, por exemplo.

3. Organização do guarda-roupas

Passadas as fases anteriores, é hora da consultoria de estilo sair do campo da teoria e colocar a mão na massa! A primeira etapa é organizar o guarda-roupas do cliente. Essa é aquela hora em que são analisadas as peças, uma a uma, para entender quais devem ficar e quais devem sair. Algumas, claro, podem ficar desde que sejam ajustadas, tingidas ou modificadas de alguma maneira, por exemplo. Para quem é muito apegado, pode ser difícil ter que se desfazer de certas peças. Mas é preciso ter confiança no profissional que está te acompanhando e ter em mente que nos próximos passos você será recompensado.

4. Personal Shopper

Nessa etapa você já começa a ser recompensado por ter aberto mão de algumas peças do seu guarda-roupas que não fazem muito sentido. Porém, é importante lembrar que a fase de Personal Shopper de uma consultoria de estilo vai depender do orçamento de cada cliente. Dentro do valor que foi estabelecido, você e o profissional que contratou vão às compras. Ele vai te instruir sobre as melhores escolhas quanto ao tipo de tecido, caimento, cores e até mesmo lojas. É muito importante que você prove os looks para ter certeza de que gosta e se sente confortável com eles. Assim, evita levar para casa peças que vai acabar não usando. Caso o cliente não disponha de um orçamento para essa fase, sem problemas! Nesse caso, a consultoria de estilo vai girar em torno do levantamento das lojas que mais têm a ver com o estilo estabelecido para o cliente, bem como a visita a essas lojas para que haja uma ambientação.

5. Montagem de looks

Muito divertida para grande parte das pessoas, a etapa de montagem de looks em uma consultoria de estilo é aquela hora em que você prova tudo e fotografa o que gostar. Basicamente, será montado um lookbook com todas as composições que foram provadas e que te favorecem. Assim, você tem um rico material de consulta toda vez que tiver dúvidas sobre o que vestir, ou até mesmo sobre que tipo de peça comprar.

6. Conclusão da consultoria de estilo

A etapa final de uma consultoria de estilo consiste na entrega de uma espécie dossiê sobre tudo o que foi visto e aprendido ao longo do processo. É nessa documentação que o cliente pode encontrar as especificações sobre a sua paleta de cores, os cortes ideais para o seu corpo, os tipos de maquiagem, os penteados ideais, e até mesmo o corte de cabelo que mais favorece as características do seu rosto. Além desses detalhes, é no dossiê que o cliente encontra o lookbook com todas aquelas produções que foram feitas durante a consultoria de estilo. Esse é um documento guia, que pode ser usado por muitos anos, ou até mesmo para toda a vida, dependendo da pessoa. Mas é importante lembrar que nada do que está lá é estático. Ou seja, é natural que você mude ao longo do tempo. Que seus objetivos sejam redefinidos, que seu corpo mude ou que, com o avanço da idade, você não se sinta mais confortável com aquelas definições. Tenha em mente que elementos novos podem ser acrescidos e que outros podem ser eliminados deste dossiê com o passar do tempo. No entanto, o ideal é que sua elaboração seja pensada de forma que sua duração seja longa. E então, gostou dos passos da consultoria de estilo? Que tal começar a sua agora mesmo? Entre em contato, vamos conversar!

Os impactos das peças estruturadas em sua imagem pessoal

Posted by Nana in 1, Imagem, Pessoal, Profissional | 0 comments

24.05.19

As peças estruturadas são aquelas inspiradas em formas geométricas, e que geralmente são feitas em tecidos planos. Elas podem ajudar a criar uma imagem pessoal segura e positiva, principalmente para quem precisa passar firmeza, por exemplo. Outro ponto forte das peças estruturadas é que podem ajudar a modelar o corpo e dar um toque de elegância às produções. Sabe aquele modelo que você veste e logo fica bem produzida, com “cara de rica”? Uma peça estruturada pode ser exatamente assim! E como na hora de se vestir para o trabalho, ou para qualquer outra ocasião, o importante é manter o equilíbrio, aqui já vai uma dica: combine peças estruturadas com outras mais fluidas e leves. Assim, você consegue passar a imagem pessoal que precisa com mais facilidade. Agora, se você ainda está um passo atrás e não conseguiu definir como deve ser sua imagem pessoal, pode contar com a ajuda de uma consultoria de imagem e estilo. Contudo, se já estiver na fase de definição dos looks que te representem, conheça mais sobre algumas peças estruturadas que podem te ajudar a compor a imagem pessoal que você busca!

Blusas estruturadas ajudam imagem pessoal de quem precisa de postura

Entre as peças estruturadas, as blusas são as que mais chamam a atenção. É fácil encontrar modelos assim em lojas que vão desde as fast fashion até as mais sofisticadas. No geral, as blusas estruturadas chamam a atenção para os ombros, ajudando na postura e, claro refletindo na imagem pessoal que é passada. Isso porque essas peças estruturadas costumam ser de manga curta, realçando os ombros. As blusas peplum, que foram tendência há uns anos atrás, são ótimos exemplos disso. Algumas podem até ser sem manga, mas, no geral, elas contam com uma manga que destaca os ombros, além de terem decote redondo e mais fechado. Apesar de não estarem em alta, as blusas peplum são peças estruturadas que ainda podem ser vistas em algumas coleções. Como contam com um babado na parte de baixo, vão bem com peças de baixo mais retilíneas. Esse é o caso de calças skinny, ou mesmo uma que seja mais justa e tenha boca de sino, a chamada calça flare. Além disso, peças estruturadas como blusas peplum também podem ser usadas com modelos de saia lápis, por exemplo.

Peças Estruturadas

Saias estruturadas são peças versáteis

Não só as blusas como também as saias estruturadas ajudam a moldar a imagem pessoal de quem usa. Podendo ser curtas ou de comprimento midi, essas peças estruturadas podem dar um ar mais elegante e até mesmo divertido às produções. Se tiver estampa colorida, por exemplo, a saia estruturada pode ser usada com um tênis ou sapatilha e uma camisa mais fluida e divertida para um look jovial. Agora, se você quer passar uma imagem pessoal mais séria elegante, a saia estruturada pode ter estampas mais sóbrias, como animal print, ou até mesmo ser lisa. Ela fica muito bem com scarpins ou modelos de sandália que deixem o peito do pé à mostra e alonguem a silhueta. Você pode combinar essas peças estruturadas com blusas mais justas e que realcem suas curvas para uma imagem pessoal elegante e sensual ao mesmo tempo. Ou então pode apostar em blusas mais soltinhas, como t-shirts, para disfarçar a barriga, caso você sinta necessidade.

Vestidos estruturados para todos os gostos!

Agora, quando a peça estruturada em questão é o vestido, as opções são muitas! Assim, fica fácil escolher aquele que mais represente a imagem pessoal que você está buscando. Isso porque os vestidos estruturados podem aparecer em diversos modelos. Podem ser sem manga e até mesmo ter manga longa. Mas, no geral, eles têm comprimento curto ou midi. Alguns modelos podem realçar os ombros, outros deixá-los à mostra. Além disso, há vestidos estruturados que marcam a cintura e outros que são mais retos, estilo anos 60, por exemplo. O peplum também pode aparecer em peças estruturadas como os vestidos. Eles tendem a passar uma imagem pessoal mais clássica e sóbria. No geral, os vestidos estruturados mais curtos tendem a ser mais retilíneos. Já os de comprimento midi podem ter saias mais volumosas e que remetam a looks dos anos 50, por exemplo.

Blazers como terceira peça

A terceira peça pode ser fundamental na hora de compor seus looks e refletir a imagem pessoal que deseja. E os blazers podem ser grandes aliados nessa hora! No geral, os blazers já são peças estruturadas, assim como outros modelos de alfaiataria, como calças e bermudas, por exemplo. Por isso, eles costumam realçar os ombros. Alguns têm até um tipo de enchimento para destacar essa parte do corpo. Contudo, alguns blazers podem ser a peça estruturada ideal para realçar a cintura ou disfarçar o quadril, por exemplo. Se forem mais acinturados e soltinhos na parte de baixo, podem dar destaque às curvas. Já aqueles que são mais retos são ideais para quem busca por opções na hora de disfarçar o quadril por exemplo. Quem gosta de peças estruturadas assim pode comemorar, já que os blazers estão em alta este ano. O modelo mais encontrado nas coleções é aquele mais comprido e reto. Ele cai muito bem com calças mais justas e uma blusa soltinha por dentro, por exemplo. E você, o que acha de investir em peças mais estruturadas? Já tentou alguma vez? Conte para gente suas dúvidas e opiniões nos comentários!

História do Visagismo: conheça mais sobre esta trajetória

Posted by Nana in 1, Profissional, Visagismo | 0 comments

16.04.19

Personalização, variedade de estilos e originalidade são conceitos que estão em alta. O que muita gente não sabe é que eles têm tudo a ver com a história do visagismo. É normal uma roupa ficar muito bem em uma pessoa, com um tipo de corpo e um tom de pele, e não valorizar em nada outro indivíduo. O mesmo acontece com cores de maquiagem, como batons e sombras, por exemplo. Tudo isso tem a ver com conceitos como harmonização, personalização e temperamento, que são estudados há muitos anos. Na prática, a história do visagismo começou a ser escrita há milênios. O conceito pode ser observado mesmo em culturas africanas ou indígenas mais antigas. Porém, o nome visagismo, como um pensamento melhor consolidado, só surgiu em meados do século XX por meio de um maquiador francês. De lá para cá, ele foi ganhando corpo e hoje é usado por profissionais como consultores de imagem e estilo, cabeleireiros e designers de moda, por exemplo. Saiba mais sobre a história do visagismo e entenda melhor como funciona esse conceito, que pode te ajudar a encontrar um estilo próprio e construir uma marca pessoal forte, baseada em suas características físicas e temperamento.

Conheça a história do visagismo, que começou antes de Cristo

A história do visagismo começa muito antes dele ter esse nome. Estudiosos apontam que uma das primeiras aparições do tema foi por meio do filósofo e matemático Pitágoras. Mesmo há mais de 500 a.C, ele já estudava sobre assuntos como harmonia, proporção, estética e beleza. Outros cientistas citaram Pitágoras e deram continuidade ao seu trabalho mesmo aproximadamente dois mil anos depois. Esse é caso de grandes nomes como Isaac Newton, Albert Einstein e Johannes Kepler. Mais um grande nome que deu sua contribuição para a história do visagismo foi Phidias, escultor que viveu há quase 500 a.C. Além de suas famosas esculturas, ele também contribuiu para o mundo das artes com pinturas e construções. De acordo com o poeta Romano Cícero, Phidias foi o autor das esculturas mais perfeitas vistas até então. Além disso, atribui-se a ele a chamada proporção áurea. Também conhecido como número de ouro, foi muito usado em pinturas renascentistas, além de se fazer presente na música, na arquitetura e até no cinema. E foi por meio de Hipócrates que a história do visagismo começou a ganhar novos capítulos. Ainda antes de Cristo, os elementos dos temperamentos do visagismo foram revelados em teorias do estudioso conhecido como “pai da medicina”. Foi Hipócrates quem formulou a teoria sobre os quatro temperamentos humanos. São eles: sanguíneo, fleumático, colérico e melancólico. Cada um deles é atribuído a um fluído corporal específico, sendo, respectivamente: sangue, fleuma, bílis amarela e bílis negra. visagismo

A evolução continuou

Já entre os séculos XVIII e XIX, Johann Wolfgang von Goethe elaborou uma teoria de cores baseada na temperatura e no tom de pele de cada indivíduo. A contribuição do alemão foi fundamental para que hoje em dia seja possível encontrar a paleta de cores pessoal, por exemplo. Quem também deixou sua marca na construção da história do visagismo foi Louis Sullivan. O autor da frase “a forma sempre segue a função” mudou conceitos de arquitetura e outras artes aplicadas como design e artes visuais. Isso porque, com essa frase, o arquiteto desafiava criadores de obras esteticamente muito bonitas a mostrarem qual é a sua real função. Portanto, não bastava ser autor de uma construção bela se ela não fosse funcional ou confortável, por exemplo. Dessa forma, passou-se a priorizar a utilidade, e não a aparência. O conceito faz parte da história do visagismo porque se aplica perfeitamente a essa técnica. Não adianta, por exemplo, adotar um corte de cabelo muito bonito, mas que requer cuidados especiais diários que não se encaixam na rotina de uma pessoa. Contudo, foi só no ano de 1936 que o maquiador francês Fernand Audry reuniu todos os conhecimentos descritos aqui e criou o termo visagismo. A palavra deriva de visage, que em francês quer dizer rosto. A ideia de Audry era mostrar como era possível realçar a beleza natural de cada pessoa usando algumas técnicas que levam em consideração a cor da pele e o formato do rosto, por exemplo. Para ele, essa era a arte de disfarçar imperfeições e chamar a atenção para aquilo que cada um tem de mais bonito. Sendo assim, o visagismo reúne técnicas para tornar a aparência das pessoas mais harmoniosa, mas de forma personalizada. E então, você já conhecia todos estes detalhes sobre a história do Visagismo? Aproveite e compartilhe este artigo com suas colegas!

4 passos para construir uma marca pessoal forte

Posted by Nana in 1, Pessoal, Profissional | 0 comments

08.03.19

Conquistar objetivos pessoais ou profissionais depende muito do nosso empenho, certo? E um dos pontos que devemos estar sempre atentos é à nossa marca pessoal. Todos nós temos uma, mas nem sempre essa marca pessoal é forte o suficiente para nos ajudar a atingir nossas metas. Para te ajudar nesse processo de construção de imagem, vou falar um pouco mais sobre o assunto e ainda te dar dicas de como conquistar uma marca pessoal forte. Confira!

O que é marca pessoal?

Muita gente pode confundir a marca pessoal com o marketing ou o branding pessoal. Para tentar explicar facilmente o que é uma marca pessoal, vou fazer uma analogia. Imagine um produto que foi criado para ser vendido, como uma camisa. Ela tem diversas características. Pode ser fácil de passar ou amassar com facilidade, pode ter uma cor diferenciada ou simplesmente ser branca. Seu tecido pode ser macio e agradável, ou áspero e pinicar na pele, por exemplo. Para vender essa camisa, o fabricante vai precisar usar técnicas de marketing. Assim, vai procurar ressaltar as características positivas, ou até mesmo atrelar aquele produto à uma causa especial. Conosco acontece basicamente da mesma maneira. Nós temos as nossas características, sejam elas físicas ou não. E essa é a nossa marca pessoal. Isso quer dizer que todos nós temos uma marca pessoal. Geralmente, ela é formada por aquela característica que temos e que mais se destaca. Seja o jeito de falar, a empatia, ou outro aspecto que se sobressai entre os demais. Agora, para ter uma marca pessoal forte é preciso trabalhar o branding pessoal. Dessa maneira, você vai conseguir tomar consciência das características que precisa reforçar, e daquelas que precisa trabalhar para melhorar, como acontece no marketing. Mas por que cuidar da marca pessoal e torná-la forte? Essa pergunta tem uma resposta muito simples: para melhorar todos os aspectos da sua vida. Ser uma pessoa melhor dentro e fora do trabalho, conseguir uma promoção, sentir-se mais confiante e segura são só alguns dos exemplos do que uma marca pessoal forte pode fazer na sua vida.

Mas como construir uma marca pessoal forte?

Ter uma marca pessoal forte não é algo que se conquista de uma hora para a outra. É importante que você saiba que será uma construção, e que vai exigir esforços dia após dia. Ou seja, é uma trajetória que envolve conhecimento, estudo e aperfeiçoamento constante. Para te ajudar, separei algumas dicas.

1. Busque autoconhecimento

Conhecer seus pontos fortes e aqueles que precisam ser melhorados é um dos primeiros passos para construir uma imagem pessoal marcante. Pode soar estranho, mas muitas pessoas não conhecem muito bem a si mesmas, a ponto de não saberem nem mesmo do que gostam de verdade. Então, se você quer ter uma imagem pessoal forte, comece buscando autoconhecimento. Existem muitas maneiras de você fazer isso. Uma delas é buscando a ajuda de um psicólogo, fazendo terapia, por exemplo. Além disso, busque fazer reflexões sobre você mesmo e conversar com pessoas próximas, de confiança e que você julgue que são capazes de te dar conselhos.

2. Trabalhe a sua imagem pessoal

Marca pessoal Depois de saber quais são seus pontos fracos e fortes, é hora de trabalhar a sua imagem pessoal. Uma das formas de começar é de fora para dentro. Isso acontece em um processo de consultoria de imagem e estilo, por exemplo. Assim, o profissional consegue avaliar quem você é, entender quais são seus objetivos e analisa a sua aparência para saber se ela condiz com a imagem que você quer passar para as pessoas. Mais uma vez, esse é um processo que depende muito do cliente estar aberto ao novo e à mudança, por exemplo. No geral, os resultados são muito positivos. Mas, claro, você pode tentar fazer essas mudanças por si só. Pesquise bastante, leia e estude sobre assuntos como visagismo, paleta de cores pessoais, descubra qual é o seu tipo de corpo e saiba quais peças caem melhor em você, por exemplo. Porém, trabalhar a sua imagem pessoal também envolve aspectos que vão muito além da aparência. Por isso mesmo, antes de começar essa etapa, você precisa de um bom nível de conhecimento sobre si mesmo.

3. Amplie sua rede de contatos

Outra maneira de trabalhar a sua marca pessoal é ampliando a sua rede de contatos, o famoso networking. Você pode fazer isso através das redes sociais, por exemplo. Além disso, é possível frequentar eventos na sua área, participar de palestras e workshops para conhecer pessoas que atuam no mesmo ramo que você. Também dá para atrair pessoas nas redes sociais por meio da produção de conteúdo. Divida com as pessoas as suas experiências e os seus conhecimentos. Crie conversas nas redes sociais para conquistar mais seguidores e, assim, ampliar sua rede de contatos.

4. Seja coerente

E não menos importante: seja sempre coerente. Essa é uma dica que vale para a vida toda, mas principalmente para quem quer ter uma marca pessoal forte. Não adianta você querer passar uma imagem de uma pessoa que você não é. Isso vale tanto para situações presenciais como online, em redes sociais e blogs, por exemplo. É por isso que é tão importante ter autoconhecimento. Assim, você vai descobrir de que maneira pode potencializar o que tem de bom e criar sua marca pessoal em cima disso. E por fim, não tente copiar comportamentos ou atitudes de outras pessoas que não tenham nada a ver com a sua personalidade. E então, o que achou das minhas dicas? Aproveite e compartilhe-as em suas redes sociais também!

Consultoria de Imagem X Consultoria de Estilo

Posted by Nana in 1, Profissional | 0 comments

21.12.18

Muita gente quer contratar uma consultoria para ajudar a se vestir a se maquiar, e até mesmo a se comportar ou encontrar o seu estilo, mas não sabe exatamente o que procurar. Por exemplo, você sabe qual é a diferença entre consultoria de imagem e consultoria de estilo?

Eu já falei aqui no blog sobre as características das consultorias de imagem e de moda. Agora, vou te explicar qual é a diferença entre consultoria de imagem de consultoria de estilo.

Assim, não vai ter erro: você vai saber exatamente qual profissional deve ser procurado na hora de fazer a mudança que precisa na sua vida e na sua imagem. Confira!

Consultoria de imagem é diferente de consultoria de estilo?

Para matar logo a curiosidade, os dois serviços são sim diferentes. Pode até parecer um pouco confuso. Afinal, é comum encontrar ofertas de consultorias de imagem e estilo. Ou seja, os dois ao mesmo tempo!

Isso acontece, basicamente, porque imagem e estilo são complementares, sobretudo para quem quer trabalhar o branding pessoal, por exemplo.

Aplicando técnicas como visagismo para construir uma imagem e encontrar o estilo ideal, é possível aprimorar aspectos da vida pessoal e profissional. É que a consultoria tem o objetivo de ajudar a dar mais confiança e segurança ao cliente.

De maneira geral, é feito um trabalho que começa de fora para dentro. Ao trabalhar o estilo e a imagem pessoal, o cliente se sente empoderado e com autoestima elevada o suficiente para alcançar suas metas.

Então, o que faz um consultor de estilo?

Bom, agora você já sabe que existem diferenças entre a consultoria de imagem e a consultoria de estilo. Mas para entender melhor, vou explicar como funciona cada uma e como se tornar um profissional da área.

Para começar, é importante não confundir estilo com moda. Isso porque o estilo é algo pessoal, que não necessariamente está atrelado a tendências, como acontece no caso da moda.

A moda define padrões a serem seguidos em determinados períodos. É algo mais superficial, ligado à aparência.

Já o estilo tem a ver com personalidade, com a expressão dos sentimentos no jeito de se vestir, no corte de cabelo e no comportamento, por exemplo.

Também chamada de personal stylist ou fashion stylist, uma consultoria de estilo leva o cliente a buscar autoconhecimento e entender como pode expressar a sua personalidade no seu exterior de maneira positiva. E isso, claro, sem perder a sua essência e sem que seja preciso se enquadrar na moda.

Na consultoria de estilo, o cliente aprende a se vestir bem e de maneira adequada, entende qual é o melhor corte de cabelo para o seu formato de rosto e para a imagem que quer passar, além de ter acesso à sua paleta de cores pessoal, escolhendo então aquelas que mais lhe agradar.

Nesse caso, a moda e as tendências podem sim aparecer, mas como ferramentas na construção do estilo pessoal, e não de forma ditatorial.

Então, para oferecer o serviço de consultoria de estilo, é preciso ter em mente que será necessário ter bastante empatia, saber ouvir e entender as dores e os desejos dos clientes.

Além disso, é importante estar atento às tendências, à moda e conhecer técnicas que possam ser aplicadas durante a consultoria de estilo, como é o caso do visagismo.

Entretanto, não existe uma faculdade ou um curso reconhecido que forme profissionais nesse segmento. Você pode procurar por cursos livres na área para se aprimorar. Além disso, é importante buscar conhecimento em oficinas, palestras e workshops sobre maquiagem, comportamento, moda, entre outros assuntos.

Agora, se você quer fazer um curso de nível superior ou técnico com a intenção de trabalhar com consultoria de estilo, os mais indicados são aqueles relacionados à psicologia, moda e design, por exemplo.

E a consultoria de imagem, como funciona?

Quando falamos em consultoria de imagem, ela costuma estar atrelada, também, ao estilo. Isso porque o ideal é sempre manter a personalidade e os gostos pessoais de cada pessoa, de maneira que ela se sinta segura com a imagem construída.

No entanto, a consultoria de imagem vai um pouco além das características físicas como cabelo e roupas. Ela passa também pelo comportamento, e ajuda o cliente a encontrar caminhos de trabalhar seu branding pessoal ao construir uma imagem que corresponda à maneira como quer ser visto pelas pessoas.

Você deve saber que nem sempre conseguimos fazer com que as pessoas nos percebam do jeito que queremos, certo? É exatamente nesse aspecto que uma consultoria de imagem pode ajudar, construindo até mesmo uma boa reputação.

Uma consultoria de imagem pode ser prestada até mesmo para empresas, por exemplo. A finalidade, na maioria dos casos, é ajudar os funcionários a se apresentarem de maneira que reflita a filosofia da companhia.

Existem alguns pontos em comum entre a consultoria de imagem e a de estilo. Um deles é o incentivo pela busca do autoconhecimento pelos clientes.

Além disso, os dois serviços procuram usar ferramentas como as tendências da moda e técnicas de visagismo para ajudar os clientes a passarem uma imagem positiva sem deixar de lado suas características.

Sendo assim, as recomendações para seguir a carreira e prestar consultoria de imagem são, basicamente, as mesmas que dei no tópico anterior sobre a consultoria de estilo.

E então, ficou mais claro quais são as diferenças entre Consultoria de Imagem e Consultoria de Estilo? Se ainda restou alguma dúvida, deixe-a para mim pelos comentários!